O despertar para a consciência negra e um convite à reflexão

20_nov2

O despertar para a consciência negra e um convite à reflexão

Dia 20 de novembro, aqui no Brasil, comemoramos o Dia da Consciência Negra, data da morte de Zumbi dos Palmares, o último líder do Quilombo dos Palmares, o maior dos Quilombos da época colonial. Os Quilombos eram como comunidades onde se abrigavam escravos que conseguiam fugir de fazendas, prisões e senzalas.

Por May Solimar, do HuffPost Brasil

Em muitas cidades é feriado e na opinião de algumas pessoas, este feriado não deveria existir, pois acham injusto ter o Dia da Consciência Negra, e não ter o “Dia da Consciência Branca”. Acredito que essas pessoas não devem refletir muito bem sobre a questão.

O sofrimento, a exclusão, a dor, que os negros passaram desde a época em que foram comercializados pelos portos do País, até hoje em dia parece não justificar um dia de pensamentos, orações e homenagens a este povo tão maltratado.

A quem diga que o Brasil, onde a maioria da população é negra, é um dos países mais racistas do mundo. Não é difícil perceber, é só olhar ao redor.

Onde estão os negros?
Onde moram?
Quantos negros estudam em escolas particulares?
Quantos negros estão se formando em curso superior?
Que tipo de trabalho os negros geralmente conseguem?
Quanto ganham?
A maioria dos presidiários são brancos?
Qual é a cor da maioria dos homens assassinados pela polícia (muitas vezes inocentes)?

Que o Dia e a semana da Consciência Negra sirva para reflexão. E porque não refletir sobre esse assunto todo dia?

Comentários fechados.