Aprovaram a reforma trabalhista, mas o jogo não acabou!

Aprovaram a reforma trabalhista, mas o jogo não acabou!

reforma trabalhista plenario

Foto: Luis Macedo/Gazeta do Povo

Na última terça-feira (11), o Congresso Nacional concluiu uma das etapas do golpe aplicado contra a democracia brasileira, que teve seu início com a queda da presidenta Dilma Rousseff. A aprovação da Reforma Trabalhista atende diretamente as elites e ataca os direitos da classe trabalhadora.
Dos três senadores que representam o Rio Grande do Sul, apenas Paulo Paim (PT) votou para garantir os direitos dos trabalhadores. Ana Amélia Lemos (PP) e Lasier Martins (PSD) votaram a favor da Reforma Trabalhista, ou seja, apoiaram o governo ilegítimo de Temer e o ataque à CLT. Lasier havia declarado publicamente que votaria contra a Reforma, porém na hora decisiva preferiu virar as costas para os trabalhadores e optou em estar ao lado de Temer. Nas próximas eleições precisamos ter bem claro os nomes desses traidores.
Ao longo dos últimos meses, o Sintae/RS denunciou os prejuízos dessa Reforma aos trabalhadores. Um projeto que significa um verdadeiro ataque à CLT e a organização sindical. Com a desculpa da geração de empregos, esse governo ilegítimo precariza as relações de trabalho, desguarnece os trabalhadores e possibilita a substituição do emprego com carteira assinada pelo “bico”. Uma ação sob medida para que os empresários possam ampliar seus lucros e baratear os custos com a folha de pagamento.
A mensagem que a direção do Sintae/RS tem para os técnicos e administrativos é a de que a situação é grave. Foi um duro golpe para os trabalhadores, mas precisamos de mobilização e ações para seguir a luta. O jogo não acabou! Já demonstramos que temos capacidade de indignação e precisamos frear esse desmonte. Mais do que nunca a união dos trabalhadores com o Sintae/RS ganha importância. Assim como, a Convenção Coletiva de Trabalho, negociada anualmente, precisa de participação efetiva dos técnicos, em conjunto com o Sindicato fortalecido.
Vamos adiante e muita água há de rolar por baixo dessa ponte.

 

Comentários fechados.